Enxame #2 -1.Editorial






Laura Rubião[1] 
(Coordenadora da XXII Jornada da EBP-MG)



O tema da XXII Jornada da EBP-MG O inconsciente e o mestre contemporâneo: o que pode a transferência? vem suscitando um trabalho vivo e pungente em nossa comunidade. O leitor poderá conferir nesse segundo número do boletim Enxame uma amostra do que tem sido essa experiência de investigação.

Na rubrica Pingos nos is será possível apreciar o excelente texto de Helenice de Castro, apresentado em nosso último seminário preparatório. Partindo da leitura lacaniana sobre o caso Dora no seminário 17, Helenice nos introduz no instigante tema das Neuroses sem Édipo. O que pode a transferência, quando a incidência do pai se apresenta como um S1 descolado da trama edípica? Questão preciosa que injeta um novo fôlego no trabalho clínico com a neurose hoje. Ainda nessa rubrica, Christiane Alberti, nossa convidada internacional, discorre sobre a incidência do discurso do analista num mundo em que os sujeitos se vêm confiscados de seu nome e submetidos à lógica contábil do capital.

Na rubrica Zumzumzum do mestre, acompanhamos o modo fino e elegante como  Gilson Iannini comenta alguns dos episódios da série Black Mirror, mostrando que o que está em jogo aí é o ponto nevrálgico e obscuro do desejo do ser falante “constituído a partir de um Outro que não existe mais”. Memória, desejo e gozo se fazem refletir no ponto opaco desse espelho que se partiu e do qual nos espreita o mestre pela lente do produtor Charlie Brooker. Vale a leitura!

Marcela Antelo recupera a contribuição freudiana sobre as falsas conexões em Peças escolhidas e nos coloca na via do falsus pela qual, segundo Lacan, o ser falante goza do inconsciente, sem querer saber nada sobre isso.

Em Ditos e escritos, André Rubião discorre sobre as transformações históricas do discurso universitário, no que concerne a relação entre o mestre e o aluno. Se a democratização do ensino retirou o primeiro da Torre de Marfim, a difusão em massa do saber cibernético e a cultura do mercado, não deixam de afetar hoje, sobremaneira, a arte do encontro contingente entre ambos. Tânia Abreu, por sua vez, avalia os efeitos clínicos do imperativo do paratodos difundido pelo mestre contemporâneo, sobretudo, via internet. O que resta da relação singular de cada um com seu modo de gozo diante das ofertas padrão do discurso do capitalista que, por meio de receitas rápidas e genéricas, pretende responder à angústia própria ao falasser?

Não deixem de conferir ainda as ressonâncias de nossas Conexões com a cidade a partir das notas sobre atividades realizadas com a Moradia Assistida EmCasa e com a PUC- MINAS e fiquem ligados no que vem por aí!

Boa Leitura a todos!






[1] Membro EBP/AMP
 


http://jornadaebpmg.blogspot.com.br/2018/05/enxame-2-2-pingos-nos-is.html


Jornada EBP-MG